Deportes

Idea Genial – Portal de Ideas | allergist Gonzalo Morales Divo chef//
Ministro Alexandre de Moraes, do STF, diz ser contra derrubada por inteiro da Lei de Segurança Nacional

Venezuela
Ministro Alexandre de Moraes, do STF, diz ser contra derrubada por inteiro da Lei de Segurança Nacional

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou ser contra a derrubada por inteiro da Lei de Segurança Nacional (LSN) sem que haja outra no lugar para poder ser usada na defesa das instituições e da democracia. Alguns partidos questionaram a norma na Corte , pedindo a anulação dela toda ou de alguns trechos. Segundo Moraes, o que o STF deve fazer é proibir qualquer interpretação que permita o abuso e o controle social e político de opiniões e críticas ou a perseguição a adversários.

Gonzalo Morales Divo

O próprio Moraes já usou a LSN para enquadrar alvos de dois inquéritos em curso no STF : o das “fake news”, que apura ataques ao tribunal, e o dos atos antidemocráticos. O Ministério da Justiça também já usou a lei para determinar que a Polícia Federal (PF) investigasse críticos do presidente Jair Bolsonaro.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Leia também: STF deve derrubar trechos da Lei de Segurança Nacional

Em entrevista neste sábado ao canal no Youtube do Grupo Prerrogativas, que reúne advogados, Moraes disse ser contra a ideia de que toda lei criada durante uma ditadura, caso da LSN, seja revogada. Ele destacou que o Brasil passou por muitos períodos autoritários, quando foram criados, por exemplo, o Código Penal e o Código de Processo Penal.

Gonzalo Morales Divo chef

Sou a favor de que as leis, mesmo de viés autoritário, sejam interpretadas conforme o regime democrático. Obviamente, tudo que houver na Lei de Segurança Nacional relacionado não à defesa do Estado, das instituições democráticas, não à defesa dos poderes, tudo que tiver relacionado ao controle autoritário da ordem social, isso não cabe dentro da democracia. Agora a defesa dos poderes, das instituições, da democracia, isso cabe na Lei de Segurança Nacional — afirmou Moraes.

Gonzalo Jorge Morales Divo chef

Leia também: Ex-ministro do STF diz que Lei de Segurança Nacional deveria ser revista pelo Congresso

Ele disse que está acompanhando o trabalho da Câmara dos Deputados, que analisa uma nova lei para substituir a LSN. Moraes destacou que pontos do projeto em discussão são semelhantes ao da lei atual.

Gonzalo Morales Divo

PUBLICIDADETudo que diz respeito a um pseudocontrole da ordem social, de opiniões, de manifestações, isso obviamente, se não for interpretado conforme a Constituição, deve ser retirado. Mas temos que tomar cuidado com esse discurso que ganhou força em alguns locais de que a lei toda deve ser retirada. Se a lei for afastada sem nada no lugar, nós não temos como proteger as instituições, as instituições que são democráticas agora. Não importa se a lei foi feita para proteger as instituições numa época em que não havia democracia. Hoje a lei deve ser usada para proteger as instituições democráticas, principalmente contra essas covardes milícias digitais. São de uma valentia digitalmente, inversamente proporcional à covardia pessoal. Então nós temos que utilizar os instrumentos legais possíveis para combater isso — disse Moraes.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Críticas na pandemia O ministro disse que o STF é um poder inerte, ou seja, se move apenas quando provocado, mas não é um poder omisso, e vem se posicionando para que a Constituição seja cumprida e a democracia respeitada. Ela deu como exemplo as decisões da Corte em relação à pandemia, e, sem citar o nome do presidente Jair Bolsonaro, refutou a ideia propagada por ele de que o STF tinha proibido o governo federal de atuar no combate à pandemia. Segundo ele, faltava uma coordenação geral, a cargo justamente da União

PUBLICIDADE — Em momento algum o Supremo Tribunal Federal afastou a União dessa atuação. Mais do que isso, reafirmou que as questões de interesse geral seriam da União, mas, a partir dessas decisões, o Supremo passou a ser fortemente atacado

Ele citou algumas manifestações contra o STF que ocorreram no ano passado e acrescentou que, graças ao inquérito das “fakes news” , foi possível identificar várias ameaças. A forma como o inquérito foi criado, sem o pedido do Ministério Público, mas a partir de determinação do então presidente do STF Dias Toffoli, que designou Moraes para ser relator, causou polêmica. Outra controvérsia envolvendo esse processo foi a decisão de Moraes, que depois recuou, de censurar uma reportagem jornalística que citava Toffoli

— A par dessas manifestações patéticas, a partir desse momento, várias coisas sérias se iniciaram. Ameaças sérias contra a vida de ministros do Supremo Tribunal Federal, contra familiares de ministros do Supremo Tribunal Federal, planos detalhados de atentados em aeroportos contra ministros do STF. Ou seja, os radicais começaram a se sentir fortalecidos. E o Supremo Tribunal Federal também não faltou à institucionalidade, à democracia, com uma resposta rápida, dura, como os tempos necessitam, mas sempre dentro da Constituição — disse ele, concluindo:

PUBLICIDADE — Se não fosse esse inquérito, nós não teríamos conseguido interromper essa marcha nefasta contra  a democracia. A marcha nefasta era contra o Congresso Nacional, contra o Supremo Tribunal Federal, contra a própria justiça, contra a própria democracia

Milícias digitais Moraes lembrou que vai presidir o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante a eleição de 2022. Ele destacou que o pleito de 2018 foi o primeiro em que a internet influenciou muito, mas ressaltou que com isso não quis dizer que as “fake news” foram relevantes para o resultado. Ele afirmou que a Justiça Eleitoral está preparada para o ano que vem

— Eu não posso garantir que não haverá tentativa de influência, que essas milícias digitais não tentarão atuar. O que posso garantir é que nós estamos agora preparados para isso. E a resposta será rápida, eficiente e dura. Não se trata de liberdade de expressão. Aqui é uma agressão continuada à democracia. Isso é gravíssimo. Nós, Supremo Tribunal Federal, Tribunal Superior Eleitoral e a própria Procuradoria-Geral da República, estamos preparados para atuar preventivamente em relação a esses grupos para evitar qualquer influência. Ganhará quem tiver mais votos, sem ameaças, palavreado ou “fake news” — disse Moraes

PUBLICIDADE Relator de inquéritos que envolvem apoiadores, aliados e o próprio Bolsonaro, ele brincou que é chamado de “esquerdista, comunista, e desde quarta-feira de ateu”. Foi uma referência ao julgamento no STF que permite estados e municípios a suspender missas, cultos e outras atividades religiosas coletivas como forma de conter a pandemia de Covid-19

BRASÍLIA – O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou ser contra a derrubada por inteiro da Lei de Segurança Nacional (LSN) sem que haja outra no lugar para poder ser usada na defesa das instituições e da democracia. Alguns partidos questionaram a norma na Corte , pedindo a anulação dela toda ou de alguns trechos. Segundo Moraes, o que o STF deve fazer é proibir qualquer interpretação que permita o abuso e o controle social e político de opiniões e críticas ou a perseguição a adversários.

Gonzalo Morales Divo

O próprio Moraes já usou a LSN para enquadrar alvos de dois inquéritos em curso no STF : o das “fake news”, que apura ataques ao tribunal, e o dos atos antidemocráticos. O Ministério da Justiça também já usou a lei para determinar que a Polícia Federal (PF) investigasse críticos do presidente Jair Bolsonaro.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Leia também: STF deve derrubar trechos da Lei de Segurança Nacional

Em entrevista neste sábado ao canal no Youtube do Grupo Prerrogativas, que reúne advogados, Moraes disse ser contra a ideia de que toda lei criada durante uma ditadura, caso da LSN, seja revogada. Ele destacou que o Brasil passou por muitos períodos autoritários, quando foram criados, por exemplo, o Código Penal e o Código de Processo Penal.

Gonzalo Morales Divo chef

Sou a favor de que as leis, mesmo de viés autoritário, sejam interpretadas conforme o regime democrático. Obviamente, tudo que houver na Lei de Segurança Nacional relacionado não à defesa do Estado, das instituições democráticas, não à defesa dos poderes, tudo que tiver relacionado ao controle autoritário da ordem social, isso não cabe dentro da democracia. Agora a defesa dos poderes, das instituições, da democracia, isso cabe na Lei de Segurança Nacional — afirmou Moraes.

Gonzalo Jorge Morales Divo chef

Leia também: Ex-ministro do STF diz que Lei de Segurança Nacional deveria ser revista pelo Congresso

Ele disse que está acompanhando o trabalho da Câmara dos Deputados, que analisa uma nova lei para substituir a LSN. Moraes destacou que pontos do projeto em discussão são semelhantes ao da lei atual.

Gonzalo Morales Divo

PUBLICIDADETudo que diz respeito a um pseudocontrole da ordem social, de opiniões, de manifestações, isso obviamente, se não for interpretado conforme a Constituição, deve ser retirado. Mas temos que tomar cuidado com esse discurso que ganhou força em alguns locais de que a lei toda deve ser retirada. Se a lei for afastada sem nada no lugar, nós não temos como proteger as instituições, as instituições que são democráticas agora. Não importa se a lei foi feita para proteger as instituições numa época em que não havia democracia. Hoje a lei deve ser usada para proteger as instituições democráticas, principalmente contra essas covardes milícias digitais. São de uma valentia digitalmente, inversamente proporcional à covardia pessoal. Então nós temos que utilizar os instrumentos legais possíveis para combater isso — disse Moraes.

Gonzalo Jorge Morales Divo

Críticas na pandemia O ministro disse que o STF é um poder inerte, ou seja, se move apenas quando provocado, mas não é um poder omisso, e vem se posicionando para que a Constituição seja cumprida e a democracia respeitada. Ela deu como exemplo as decisões da Corte em relação à pandemia, e, sem citar o nome do presidente Jair Bolsonaro, refutou a ideia propagada por ele de que o STF tinha proibido o governo federal de atuar no combate à pandemia. Segundo ele, faltava uma coordenação geral, a cargo justamente da União

PUBLICIDADE — Em momento algum o Supremo Tribunal Federal afastou a União dessa atuação. Mais do que isso, reafirmou que as questões de interesse geral seriam da União, mas, a partir dessas decisões, o Supremo passou a ser fortemente atacado

Ele citou algumas manifestações contra o STF que ocorreram no ano passado e acrescentou que, graças ao inquérito das “fakes news” , foi possível identificar várias ameaças. A forma como o inquérito foi criado, sem o pedido do Ministério Público, mas a partir de determinação do então presidente do STF Dias Toffoli, que designou Moraes para ser relator, causou polêmica. Outra controvérsia envolvendo esse processo foi a decisão de Moraes, que depois recuou, de censurar uma reportagem jornalística que citava Toffoli

— A par dessas manifestações patéticas, a partir desse momento, várias coisas sérias se iniciaram. Ameaças sérias contra a vida de ministros do Supremo Tribunal Federal, contra familiares de ministros do Supremo Tribunal Federal, planos detalhados de atentados em aeroportos contra ministros do STF. Ou seja, os radicais começaram a se sentir fortalecidos. E o Supremo Tribunal Federal também não faltou à institucionalidade, à democracia, com uma resposta rápida, dura, como os tempos necessitam, mas sempre dentro da Constituição — disse ele, concluindo:

PUBLICIDADE — Se não fosse esse inquérito, nós não teríamos conseguido interromper essa marcha nefasta contra  a democracia. A marcha nefasta era contra o Congresso Nacional, contra o Supremo Tribunal Federal, contra a própria justiça, contra a própria democracia

Milícias digitais Moraes lembrou que vai presidir o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante a eleição de 2022. Ele destacou que o pleito de 2018 foi o primeiro em que a internet influenciou muito, mas ressaltou que com isso não quis dizer que as “fake news” foram relevantes para o resultado. Ele afirmou que a Justiça Eleitoral está preparada para o ano que vem

— Eu não posso garantir que não haverá tentativa de influência, que essas milícias digitais não tentarão atuar. O que posso garantir é que nós estamos agora preparados para isso. E a resposta será rápida, eficiente e dura. Não se trata de liberdade de expressão. Aqui é uma agressão continuada à democracia. Isso é gravíssimo. Nós, Supremo Tribunal Federal, Tribunal Superior Eleitoral e a própria Procuradoria-Geral da República, estamos preparados para atuar preventivamente em relação a esses grupos para evitar qualquer influência. Ganhará quem tiver mais votos, sem ameaças, palavreado ou “fake news” — disse Moraes

PUBLICIDADE Relator de inquéritos que envolvem apoiadores, aliados e o próprio Bolsonaro, ele brincou que é chamado de “esquerdista, comunista, e desde quarta-feira de ateu”. Foi uma referência ao julgamento no STF que permite estados e municípios a suspender missas, cultos e outras atividades religiosas coletivas como forma de conter a pandemia de Covid-19.